Busca no Blog

Carregando...

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

A degradação natural das áreas de caatinga nas serras do Nordeste



A foto


Nesta fotografia  podemos observar uma área de serra com a vegetação de caatinga degradada.em função da erosão do solo.  A fotografia foi obtida no dia 11 de agosto de 2010 no município de Betânia do Piauí,  PI.

O fato

Estudos recentes demonstraram que o total de caatinga desmatada saltou de 43,38% para 45,39% num período de seis anos. A taxa anual média de desmatamento nos seis anos foi de 2.763 quilômetros quadrados. Levantamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) divulgado recentemente apontou que, entre 2002 e 2008, a caatinga teve 16.576 quilômetros quadrados desmatados, o que equivale a mais da metade da área do Estado de Alagoas. Por outro lado, alguns estudos têm demonstrado que a fragilidade dos solos das áreas de caatinga do Nordeste favorece a degradação. Os solos descobertos, principalmente nas áreas de serra da caatinga são muito susceptíveis à erosão hídrica e eólica, favorecendo a remoção dos nutrientes das áreas degradadas o que vai dificultar o crescimento do extrato vegetal. As áreas de maior vulnerabilidade, geralmente são de solos rasos, sem capacidade de retenção de água e com limitações físicas e químicas, que aumentam a degradação. Assim, o solo é um fator principal na degradação dessas áreas. Neste sentido, atribuir a degradação unicamente a ação do homem parece não ser a opção mais adequada. Portanto, um trabalho de conscientização das populações destas áreas de que estes solos em áreas de serra apresentam alta fragilidade para degradação, talvez possa produzir mais resultados do que as punições aos agricultores que cultivam nestas áreas. Na fotografia podemos ver uma área de serra com parte do solo erodido e a vegetação em fase de degradação no município de Betânia do Piauí. Normalmente, o desmatamento tem como objetivo principal a formação de pastagem para os animais nas áreas mais planas como vemos na parte de baixo da fotografia.

Nenhum comentário: