Busca no Blog

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

É tempo de sementes de imbu nos apriscos do Sertão




A foto

Nesta fotografia, podemos observar um rebanho de caprinos no aprisco. A fotografia foi obtida no dia 2 de fevereiro de 2012 na comunidade de Alto do Angico no município de Petrolina, PE.

O fato


Na época da safra do imbuzeiro, uma das coisas mais fácil de encontrar é semente de imbu nos apriscos. O chão dos apriscos e chiqueiros da caatinga tem mais sementes de imbu do que fezes dos animais. Isso ocorre porque os caprinos são os maiores consumidores de frutos do imbuzeiro na região semiárida do Nordeste. Não são apenas os nordestinos do Sertão que gostam de imbu, os caprinos são apaixonados por essa fruta. Muitos animais silvestres também consomem muito imbu, a exemplo da raposa, veado, caititu, entre outros. Contudo, tem-se observado à ausência de plantas jovens em seu ambiente natural, cuja causa tem sido atribuída em sua maioria à dificuldade que as sementes do imbuzeiro apresentam para germinar, ao desmatamento desordenado e aos danos causados as plântulas que emergem pelos insetos, animais silvestres e, principalmente, pelos caprinos. Os principais mecanismos de dispersão das sementes do imbuzeiro na caatinga nativa são os animais silvestres como o veado-catingueiro (Mazama gouazoubira), a cotia (Dasyprocta cf. prymnolopha), o caititu (Tayassu tajacu), a raposa (Dusicyon thous), o teiú (Tupinambis merianae), o tatu-peba (Euphractus sexcinctus) e na caatinga degradada o caprino (Capra hircus). No entanto, os caprinos são os dispersores negativos, visto que, esses animais retiram as sementes da caatinga, que posteriormente são transportadas para áreas onde não terão como se desenvolver. Na fotografia podemos ver uma grande quantidade de pontos brancos no solo do aprisco, que são sementes de imbu. De modo geral, um caprino pode consumir até 240 frutos de imbu por dia. Os animais comem os frutos na caatinga e quando voltam para o aprisco, remoem os frutos e jogam fora as sementes.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

É tempo de juá no Sertão de Pernambuco






A foto

Nesta fotografia podemos observar um caprino consumindo frutos de juazeiro. A fotografia foi obtida em 30 de janeiro de 2012 na Comunidade de Lagoa dos Cavalos no município de Petrolina, PE.

O fato

Entre as espécies da caatinga, há algumas que não perdem as folhas no período da seca, a exemplo o juazeiro (Zizyphus joazeiro Mart.). Contudo, não encontramos o juazeiro em toda a caatinga. Esta planta ocorre em maior densidade em áreas de caatinga de baixadas onde normalmente há presença de água no subsolo. Devido ao consumo das folhas mais baixas, os animais têm que ficar em posição vertical sobre as duas patas para poder alcançar as folhas. Os caprinos são verdadeiros equilibristas da caatinga quando precisam alcançar os galhos mais altos das plantas na época da seca. Os frutos do juazeiro são ricos em vitamina C. São comestíveis e muito apreciados pelos agricultores do Sertão. O juazeiro é uma das plantas da caatinga  que oferece a melhor sombra, visto que, sempre permanece com folhas. Suas folhas e ramos são consumidos pelos animais em todo o período do ano. No Sertão de Pernambuco, a caída de frutos maduros de juazeiro tem início nos meses de outubro e novembro, período em que a região enfrenta a seca e faltam alimentos para os animais.

As primeiras chuvas de fevereiro no Sertão de Pernambuco


 



A foto

Nesta fotografia, podemos observar uma área de caatinga no momento de uma chuva. A fotografia foi obtida no dia 19 de fevereiro de 2012 no município de Petrolina, PE.

O fato

O ano de 2012 não teve um bom começo para os pequenos agricultores do Sertão de Pernambuco. No mês de janeiro não foi registrada nenhuma precipitação. Embora a média histórica deste mês seja de 68 mm, até o dia 31 de janeiro não choveu nada. Neste período a ação dos carros-pipas tem sido a grande alternativa para oferta de água para o consumo familiar. Em fevereiro as primeiras chuvas só ocorreram a partir do dia 10 com um total de 14,5 mm. Nos dias 11 e 12 ocorreram precipitações de 5 e 8,2 mm, respectivamente. Essas chuvas vieram aliviar a seca severa que estava afetando toda a região do Sertão de Pernambuco. Todavia, o volume foi muito pouco e não deu para acumular água nos barreiros que estavam secos, contudo, muitos agricultores que estavam com suas terras preparadas realizaram o plantio de milho e feijão. Finalmente, no dia 19 de fevereiro, foram registrados 60 mm na região de Petrolina e muita água ficou acumulada nos barreiros e nos deflúvios da caatinga para dessedentar os animais. Porém, se considerar que fevereiro já está para terminar, 86,7 mm de chuvas é muito pouco para região. Com essas chuvas, espera-se que haja uma regularidade na região e os sertanejos possam realmente começar a plantar.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

A seca e a falta de água para os animais na caatinga



A foto

Nesta fotografia, podemos ver alguns caprinos bebendo o que restou de água em uma pequena lagoa na caatinga. A fotografia foi obtida no dia 30 de janeiro de 2012 na Comunidade de Lagoa dos Cavalos no município de Petrolina, PE.

O fato


Na região semiárida do Nordeste, a criação de caprinos é uma das alternativas de renda para muitas famílias da zona rural. Contudo, manter esses animais no período de seca, quando faltam alimentos e água é um dos maiores problemas dos pequenos agricultores do Sertão. A utilização da caatinga como base de alimentos para os animais, complementada com o uso de forragens de baixa demanda hídrica, conservadas na forma de feno ou silagem é uma alternativa para alimentação dos animais que pode levar os animais a produzir um ganho de peso de médio de até 35 kg/ano. Porém, para assegurar este desempenho animal, a água para os animais é de extrema importância. Considerando que o consumo diário de um caprino com peso médio de 25 kg  é de 4,5 litros de água/dia. Para manter esse animal no período de seca que é de aproximadamente 250 dias, uma cisterna de 16 mil litros dará para dessedentar 14 caprinos/ano. Parece muito pouco, todavia, sem água não há como obter ganho de peso dos animais no período de seca. Como vemos na fotografia, criar caprinos na caatinga sem as mínimas condições de atender suas necessidades hídricas é um tiro no escuro.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

As fruteiras na cisterna calçadão no Sertão da Bahia




A foto

Nesta fotografia se pode observar uma cisterna calçadão utilizada para produção de frutas na caatinga. A fotografia foi obtida no dia 22 de julho de 2010 na Comunidade de Conceição no município de Jaguarari, BA.

O fato

Embora as chuvas que ocorre na região semiárida do Nordeste sejam consideradas irregulares, em termos de volume, se toda água proveniente dos 520 mm, em média, que ocorre na região fosse aproveitada, muita coisa pode ser obtida com a utilização dessa água. Neste sentido, em muitas comunidades já foram construídas as cisternas de produção. Essas cisternas fazem parte do Programa P1 + 2, cujo objetivo é disponibilizar uma segunda fonte de água para que o agricultor possa utilizar para produção de alimentos. No caso específico da cisterna calçadão, a área cimentada de 200 m² pode captar um total de até 104 litros com um total de 520 mm de chuvas, sendo que o coeficiente de escoamento deste tipo de cobertura é de, aproximadamente, 68%, o que significa que, do total, 70.720 litros vão para cisterna, se não houver mais perdas. Assim, os agricultores podem cultivar frutas e hortaliças durante todo o ano. Contudo, há necessidade de um controle rígido na distribuição da água para não faltar no período de seca.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Pequena jibóia atacando um pássaro na caatinga


A foto

Nesta fotografia, podemos observar uma pequena jibóia atacando um pequeno pássaro na caatinga. A foto foi obtida no dia 6 de fevereiro de 2012 no município de Petrolina, PE.

O fato

A jibóia (Boa constrictor) é uma das serpentes mais encontrada nas caatingas do Nordeste. Esta serpente pode alcançar tamanho superior a 2 metros. Embora a jibóia seja um animal de hábitos noturnos, geralmente ela é encontrada em áreas da caatinga nas primeiras horas da manha. No Sertão, a jibóia alimenta-se principalmente de pequenos mamíferos da caatinga, más é famosa por atacar pequenos animais como cabritos, bezerros recém-nascidos, galinhas e animais silvestres como preá, cutia, gatos do mato, entre outros. Sua característica marcante é o ataque de suas presas pela constrição, envolvendo o corpo das presas e sufocando-as até a morte. Muitas vezes a jibóia engole os animais ainda vivos.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

A cisterna de número 433.853 no Sertão do Piauí



A foto

Nesta fotografia podemos ver a cisterna de placas número 433.853, construída na comunidade de Fazenda Humaitá no município de Paulistana, PI. A fotografia foi obtida no dia 31 de janeiro de 2012.

O fato

A cisterna é uma alternativa para a captação de água da chuva utilizada em muitas residências da região semiárida do Nordeste. Com capacidade para armazenar até 16 mil litros de água de chuva, as cisternas têm contribuindo significativamente para amenizar os problemas causados pela falta de chuvas na região. O Programa Um Milhão de Cisternas (P1MC) coordenado pela ASA já construiu mais de 455.272 cisternas, conforme dados do MDS. A primeira cisterna foi inaugurada no dia 23 de novembro de 2000 pelo então ministro do Meio Ambiente José Sarney Filho na Comunidade de Lagoa Grande, na residência do senhor Manoel Freire dos Santos e da senhora Josefa da Rocha Freire. Essa iniciativa teve um impacto muito grande no seio de toda a região semiárida do Nordeste, que até então tinha como único meio de obtenção de água para o consumo os carros-pipas.  Todavia, o número de cisternas construídas ainda é muito pequeno, considerando o início do programa e os recursos investidos e as famílias selecionadas. Assim, com o objetivo de atender as necessidades de 750 mil famílias que vivem abaixo da linha de pobreza na região semiárida do Nordeste com água para o consumo em um período mais curto, o governo federal iniciou uma nova etapa deste programa com a implantação de sistemas de armazenamento de água de chuva em cisternas plásticas nos próximos 3 anos. A primeira cisterna deste novo modelo foi implantada no dia 13 de dezembro de 2011 na Comunidade de Sítio Caldeirão no município de Cedro, PE. Acreditamos que esse programa possa alcançar a meta de 1 milhão de cisternas, visto que, a produção e implantação das cisternas é mais rápida que as tradicionais cisternas de placas do Programa P1MC.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

A venda de imbu às margens das rodovias do Sertão de Pernambuco



A foto

Nesta fotografia podemos observar uma agricultora vendendo frutos do imbuzeiro às margens de uma rodovia. A fotografia foi obtida no dia 22 de janeiro de 2012 no município de Serra Talhada, PE.

O fato

As irregularidades na ocorrência de chuvas no Sertão do Nordeste em 2011 e nos primeiros dias de 2012 podem ser responsáveis pela redução na safra do imbu deste ano. Em todas as localidades onde os agricultores colhem o fruto do imbuzeiro para venda ou processamento, há uma queda significativa na safra. Muitos agricultores que obtiveram ganhos significativos com a venda de imbu na safra de 2011 acreditam que neste ano, não obterão metade desta renda. Nas comunidades onde se realiza a produção de doces e geléias de imbu, já esta sendo difícil a colheita para processamento. Atualmente, a principal forma de comercialização do fruto do imbuzeiro é na forma in natura, contudo, já existem muitas comunidades que estão agregando valor ao fruto do imbuzeiro com a produção de doces e geléias. Poucos agricultores estão colhendo frutos como nos últimos anos. Porque isto está ocorrendo! São vários fatores que podem afetar a safra do imbuzeiro, principalmente, a falta de chuvas no período da floração e frutificação que, normalmente é de agosto a dezembro. Outra causa pode ser um ataque severo de um inseto chamado de cascudo que derruba a floração do imbuzeiro. Na fotografia podemos ver que os agricultores vendem o imbu junto a outras opções da região como o mel de abelha e a manteiga de garrafa.

A retirada de água de um cacimbão no Sertão do Piauí



A foto

Nesta fotografia podemos ver o esforço de um agricultor para retirar água em um cacimbão. A fotografia foi obtida no dia 31 de janeiro de 2012 no município de Paulistana, PI.

O fato

Há muitas fontes de água para consumo humano e animal no semiárido do Nordeste. Temos a cacimba, o cacimbão, o poço artesiano, o poço amazonas, o caxio, o barreiro, o açude, entre outras. Todavia, uma das mais tradicionais são os velhos cacimbões. Em algumas comunidades existem cacimbões com mais de 100 anos. De modo geral, a água dos cacimbões é utilizada para os diversos afazeres das famílias e, principalmente para o consumo dos animais e pequenas irrigações. Os cacimbões são confeccionados em leitos de rios e riachos, onde a areia molhada permite a escavação com maior facilidade. Normalmente os cacimbões não secam, todavia, em função da retirada constante de água, muitas vezes há necessidade de novas escavações para aumentar o nível da água. Em função da profundidade de alguns cacimbões, muitas vezes a retirada da água é muito difícil e os agricultores utilizam diversos modos, como o que vemos na fotografia.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Os barreiros estão sem água no mês de fevereiro de 2012 no Sertão de Pernambuco



A foto

Nesta fotografia, podemos observar um barreiro sem água na caatinga no mês de fevereiro. A fotografia foi obtida no dia 2 de fevereiro de 2012 no município de Petrolina, PE.

O fato

O início do ano de 2012 não tem sido muito promissor em termos de chuvas para o Sertão de Pernambuco. Em janeiro não foi registrada nenhuma precipitação no Campo Experimental da Embrapa Semiárido e fevereiro começa sem chuvas. Considerando que a média histórica para esses dois meses é de 95,7 mm para o mês de janeiro e de 85,4 para o mês de fevereiro, as chuvas não estão prometendo. O mês de janeiro que mais choveu nos últimos 27 anos foi em 2004 quando foram registrados 431 mm e em 2009 choveu 257,1 mm nessa região. Como nosso período de maior concentração de chuvas ocorre até o mês de maio, espera-se que chova muito até lá para que a média de 522,1 mm seja alcançada. Em 2011 as chuvas passaram de 596,9 mm. A média de anos com chuvas acima de 500 mm já esta sendo uma normalidade. Em janeiro de 2011 foram registradas cinco ocorrências de chuvas na região com um total de 66,2 mm, sendo as mais significativas no dia 21 com 14 mm e no dia 24 com 46,3 mm. Esse total é menor que a média de 29 anos que é de 93,3 mm para o mês de janeiro. Todavia, essas chuvas não salvarão as plantações de milho e feijão de dezembro de 2010, visto que, as plantas não resistiram às altas temperaturas. Em fevereiro ocorreram seis chuvas, sendo as mais importantes no dia 25 com 27,9 mm e no dia 28 com 44,0 mm. Neste mês choveu um total de 87,2 mm. A média de chuvas para fevereiro de 1982 a 2010 é de 83,8 mm. Contudo, no período de 1 a 24 de fevereiro, o sol foi muito forte e eliminou as pequenas plantas de milho e feijão que ainda resistiam. Muitos agricultores eliminaram o que restava do plantio de dezembro e realizam um novo plantio com a esperança de chuvas para março e abril.  Em março foi registrado um total de 77,5 mm, sendo 31,3 mm no dia 5 e 30 mm no dia 28. A média de março é de 131,2 mm. Assim, as chuvas ficaram muito abaixo da média para região. No mês de abril, choveu 153,4 mm na região. Essas chuvas possibilitaram o crescimento e uma boa produção para o milho e feijão dos agricultores que plantaram no mês de fevereiro. Até o dia 30 de abril de 2011, já havia ocorrido um total de 384,3 mm. Embora essa chuva não tenha proporcionado um acúmulo de água nos açudes e barreiros, foi suficiente para encher todas as cisternas até o mês de abril. Nos meses de maio  choveu 74,7 mm, em  junho 2,8 mm e julho 0,7 mm. No mês de agosto, foi registrada uma precipitação de 20,8 mm. Essa chuva foi muito importante, visto que a caatinga já estava iniciando sua fase seca. Em setembro não foi registrada nenhuma chuva. Em outubro ocorreu uma precipitação de 12,5 mm, porém as elevadas temperaturas que ocorreram neste mês provocaram a evaporação rápida dessa água. No mês de novembro ocorreu uma precipitação de 56,7 mm. Essa chuva possibilitou o plantio de milho, feijão e abóbora, contudo, em novembro o calor foi elevadíssimo e nada resistiu, visto que novas chuvas só vieram a ocorrer em 13 de dezembro com um total de 44,9 mm. Com essas chuvas a região registrou um total de 596,9 mm em 2011.