Busca no Blog

Carregando...

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Água para os animais na caatinga nordestina



As fotos

Nesta fotografia podemos observar um cata-vento retirando água de um poço e animais em busca de água numa lagoa quase seca. As fotografias foram obtidas no município de Petrolina, PE.






O fato

Em anos de chuvas regulares no Sertão do Nordeste, a água que fica acumulada nos barreiros, lagoas, açudes e riachos suprem as necessidades dos animais. Todavia, a cada ano os rebanhos são maiores e os agricultores nunca fazem um planejamento da quantidade de água necessário para seu rebanho durante todo o ano. Eles sempre acreditam que vai chover regularmente e que não haverá problemas de água para os animais. Como este ano a seca veio sem aviso, à falta de água para o consumo animal é uma das principais dificuldades que os agricultores estão enfrentando. Nas fontes tradicionais como açudes, barreiros, lagoas e riachos, praticamente toda água já secou. Muitos agricultores estão perdendo animais por falta de água para beber. Outros já venderão parte do rebanho para comprar água de carro-pipa ao preço de R$ 100,00 a 150,00 por carrada de 8 mil litros, aproximadamente. Em algumas comunidades onde existe um poço profundo com cata-vento, só resta a água salobra. Esta é uma das realidades do Sertão nordestino em anos de seca. Como essa realidade poderia ser alterada! Se os órgãos de fomento como os bancos oficiais e programas de ajuda aos agricultores em períodos de seca tivessem em suas propostas a construção de poços profundos  para cada agricultor que tomasse um empréstimo ou recebesse ajuda do governo, parte dessa crise seria aliviada. Embora o custo de implantação de um poço profundo alcance valores na ordem de R$ 5.000,00 a 6.000,00 para profundidades de até 50 metros, os resultados para uma família ou comunidades seriam bastante significativos, visto que, com água, parte dos animais sobreviveria ao período de seca. Outra alternativa seria a implantação de cata-ventos públicos em lugares estratégicos das comunidades, facilitando uma melhor distribuição da água.

Nenhum comentário: