Busca no Blog

Carregando...

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Crescimento do mandacaru na caatinga


 Corte do mandacaru
 Plantio do mandacaru
 Corte do mandacaru
Mandacaru aos 10 anos de crescimento

As fotos

Nestas fotografias, podemos observar o plantio e o corte do mandacaru em uma área de pesquisa. As fotografias foram obtidas no Campo Experimental da Caatinga na Embrapa Semiárido no município de Petrolina, PE.

Os fatos

O mandacaru é uma cactácea de grande importância para a sustentabilidade e conservação da biodiversidade do bioma caatinga. Seus frutos são uma das principais fontes de alimento para pássaros e animais silvestres da caatinga. Essa cactácea ocorre nas áreas mais secas da região semiárida do Nordeste, em solos rasos, encima de rochas e se multiplica regularmente, cobrindo extensas áreas da caatinga.  Sua distribuição ocorre principalmente nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Bahia. Poucos estudos têm sido realizados em relação ao desenvolvimento dessas cactáceas e principalmente, quanto a sua densidade e utilização pelos agricultores. Neste sentido, foi realizada uma pesquisa com o objetivo de determinar o crescimento do mandacaru (Cereus jamacaru P. DC) em condições de sequeiro na caatinga até os 10 anos. O estudo foi realizado no período de agosto de 2001 a agosto de 2011 em uma área de caatinga na Estação Experimental da Embrapa Semiárido no município de Petrolina, PE. A altura média das plantas no primeiro e no décimo ano foi de 0,52 e 1,94 m, respectivamente. O diâmetro basal e a circunferência do caule ao nível do solo foram de 8,0 e 16,58 cm, respectivamente. Os resultados obtidos foram os seguintes: No primeiro ano a altura das plantas foi de 0,52 cm com uma produção de 3,25 kg de fitomassa verde e 0,54 kg de fitomassa seca. No segundo ano a altura das plantas foi de 0,92 cm com uma produção de 4,51 kg de fitomassa verde e 0,77 kg de fitomassa seca. No terceiro ano a altura das plantas foi de 1,41m com uma produção de 6,22 kg de fitomassa verde e 1,06 kg de fitomassa seca. No quarto ano a altura das plantas foi de 1,47 m com uma produção de 9,18 kg de fitomassa verde e 1,56 kg de fitomassa seca. No quinto ano a altura das plantas foi de 1,54 m com uma produção de 10,17 kg de fitomassa verde e 1,74 kg de fitomassa seca. No sexto ano a altura das plantas foi de 1,59 m com uma produção de 11,25 kg de fitomassa verde e 1,92 kg de fitomassa seca. No sétimo ano a altura das plantas foi de 1,68 m com uma produção de 13,75 kg de fitomassa verde e 2,35 kg de fitomassa seca. No oitavo ano a altura das plantas foi de 1,72 m com uma produção de 15,27 kg de fitomassa verde e 2,62 kg de fitomassa seca. No nono ano a altura das plantas foi de 1,75 m com uma produção de 18,56 kg de fitomassa verde e 3,17 kg de fitomassa seca. No décimo ano a altura das plantas foi de 1,94 m com uma produção de 22,47 kg de fitomassa verde e 3,85 kg de fitomassa seca. Se considerar a produção por hectare no espaçamento de 1 m entre plantas e 1,5 m entre as fileiras teríamos 1.500 plantas/ha que proporcionariam uma produção de 33.705 kg de fitomassa verde e 5.775 kg de fitomassa seca aos 10 anos de crescimento. Com os resultados obtidos podemos inferir que: o  plantio do mandacaru no período de pouca ocorrência de chuvas na região semiárida do Nordeste apresenta bons índices de sobrevivência; O crescimento do mandacaru nos primeiros anos é muito lento; Aos dez anos de crescimento a produção de fitomassa verde e seca do mandacaru pode contribuir como uma boa alternativa para os pequenos agricultores alimentarem seus animais na seca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário