Busca no Blog

Carregando...

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Aspectos da seca no Sertão de Pernambuco


As fotos

Nestas fotografias podemos observar alguns aspectos da caatinga neste ano de extrema seca no Sertão de Pernambuco. As fotografias foram obtidas em comunidades do município de Petrolina, PE.






Os fatos

Até hoje, 7 de dezembro de 2012, já temos mais de 325 dias em que não foi registrada nenhuma precipitação no Sertão de Pernambuco.  Até o momento choveu um total de 145,5 mm no município de Petrolina. Essas chuvas ocorreram, principalmente nos meses de fevereiro, março e maio. Em fevereiro ocorreram 5 chuvas com um total de 84,4 mm. Em março só choveu dois dias no total de 19,2 mm. Em abril não foi registrada nenhuma chuva na região. No mês de maio foi registrada uma chuva de 26 mm. Em junho foram 3,9 mm em três chuvas. No mês de julho foram registrados 1,3 mm em duas chuvas. Em agosto choveu um total de 2,3 mm em duas chuvas. No mês de setembro choveu somente 0,2 mm. Por outro lado, nos 31 dias de outubro nenhuma chuva foi registrada na região. No mês de novembro choveu 8,2 mm. Essas chuvas não foram suficientes para formação de água nos açudes e barreiros e para o crescimento da pastagem para os animais. Os criadores de bovinos são os mais afetados e já tiveram a perda de muitas cabeças. Por outro lado, os agricultores que criam caprinos, ainda não tiveram perdas com a seca. O que está dificultando a vida da maior parte dos agricultores é a obtenção de água para os animais.  Todavia, algumas pancadas de chuvas que tem ocorrido em áreas isoladas do município de Petrolina têm alterado o drama da seca, visto que, essas chuvas renovam a pastagem e juntam alguma água nos barreiros para os animais. Nessas comunidades a vegetação da caatinga já começou a se desenvolver e ser consumida pelos animais. 

2 comentários:

Anônimo disse...

E O MILAGRE DA VIDA, SO MOSTRA MAIS UMA VEZ QUE AO CONTRARIO QUE MUITOS COMENTAM.A CAATINGA E CHEIA DE VIDA.

Anônimo disse...

UMA FOTOGRAFIA VALE MAIS DO QUE MIL PALAVRAS.