Busca no Blog

Carregando...

sábado, 20 de setembro de 2014

A reprodução do veado-catingueiro no Sertão do Nordeste

As fotos

Nestas fotografias podemos observar alguns veados-catingueiros na caatinga e um filhote dessa espécie. As fotografias foram obtidas na caatinga do município de Petrolina, PE.

Fêmea de veado-catingueiro na caatinga 

Filhote de veado-catingueiro


Os fatos


A fauna da caatinga na Região Nordeste é repleta de animais cuja beleza é singular. Embora essa região tenha sofrido danos severos nos últimos anos com as secas sucessivas, ainda é possível observar a continuidade da vida animal silvestre, principalmente a regeneração das espécies. O veado-catingueiro é uma das espécies da caatinga mais caçada para consumo. Sua carne é bastante apreciada pela população local. Essa espécie já apresentou número significativo de exemplares, contudo, a caça tem levado a espécie a constar na lista de animais ameaçados de extinção na caatinga. Sua pelagem marrom-acinzentada com tons escuros no dorso faz desses animais um dos mais belos da caatinga. Embora a seca tenha afetado a base alimentar dos veados, estes ainda conseguem obter alimentos na brotação das plantas da caatinga e nos frutos das diversas plantas da região Nordeste. Pouco se observar veados em grupos, contudo há relatos de bandos com 4 a 5 indivíduos. A visão de um filhote é rara, porém quando avistado, sua beleza encanta nossos olhos. 

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

As aves de arribação no Sertão de Pernambuco

As fotos 

Nestas fotografias podemos observar as pombas de arribação no Sertão de Pernambuco. As fotografias foram obtidas na caatinga do município de Petrolina, PE. 

Aves de arribação em uma planta sem folhas
 Aves de arribação no solo
Aves de arribação procurando alimentos em área de cultivo

 Revoada das aves de arribação
Revoada das aves de arribação


O fato



A ave de arribação ou avoante é uma pomba da Família Columbidae, Gênero Zenaida, Espécie Zenaida auriculata. Esta pomba ocorre nas caatingas do Nordeste no período das chuvas. São centenas de avoantes em bandos nos céus que voam sem destino em busca de alimentos e um local para procriação. A grande surpresa é que essas aves apareceram no sertão agora no mês de setembro, período de seca. Esse fato pode ter ocorrido em função das mudanças climáticas que afetam diversas regiões onde essas aves habitam. Como o próprio nome diz, costuma ser uma ave gregária, podendo formar bandos de milhares de indivíduos durante suas migrações em pousos coletivos em locais onde dormem e se alimentam. Também é conhecida pelos nomes de arribaçã, arribação, pomba-do-sertão e avoante. Os ninhos das avoantes são alvos de animais silvestres e caçadores que matam estes pássaros em grande quantidade para consumo e venda em feiras livres do Nordeste. Em alguns ninhos os pássaros são abatidos das formas mais perversas possíveis. Normalmente, são encontradas nas feiras livres, muitas aves para venda em estado de conservação não adequado para o consumo humano. As aves de arribação também têm causado danos severos às plantações de sorgo em muitas comunidades da região. Há relatos de que as aves de arribação foram responsáveis pela alimentação de grande parte da população de nordestinos nas grandes secas de 1877 e 1888 onde “verdadeiros aluviões de pombas-de-bando salvaram igualmente do tormento da fome as míseras populações flageladas da época...” Alguns estudiosos das aves de arribação afirmam que elas deveriam está se deslocando neste período para a Região Sudeste e que só deveriam estar no Sertão no início das chuvas.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

A selfie dos animais da caatinga

As fotos

Nestas fotografias, podemos observar alguns animais da caatinga em momentos especiais. Até parece que estes animais estão realizando seus autorretratos.  As fotografias foram obtidas na caatinga do município de Petrolina, PE.

 A selfie noturna de um caititu
 A selfie de uma raposa

 A selfie de um filhote de caititu
 A selfie de um guará
 A selfie noturna de um veado
 A selfie de uma seriema
A selfie diurna de um veado


Os fatos



Para se obter uma fotografia de um animal silvestre na caatinga não é nada fácil. Todavia a câmera automática tem possibilitado a obtenção de diversas fotos de muitos animais em seus momentos únicos. Isso ocorre, principalmente pelo fato de que, os animais da caatinga são muito expertos e cuidadosos em seus movimentos, quando deparam com alguma coisa que não é natural do seu habitat. Quando eles observam alguma coisa diferente, escutam, olham, e demonstram toda curiosidade possível para tentar identificar esse objeto estranho e ter a certeza de que o mesmo não é uma ameaça. Assim, podemos obter algumas fotografias que são verdadeiros “selfies silvestres

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

As primeiras flores da caatinga no início do período de seca


As fotos

Nestas fotografias podemos observar o início da floração do imbuzeiro e do sete-cascas na caatinga após as chuvas do final de julho de 2014. As fotografias foram obtidas na caatinga do município de Petrolina, PE.

 Inflorescência do imbuzeiro
 Flores do imbuzeiro com início da fecundação
 Planta de imbuzeiro com botão floral
 Sete-cascas com flores na caatinga
 A floração do sete-cascas na caatinga

Os fatos

Na caatinga do município de Petrolina, PE, choveu até o momento 203,5 mm, sendo distribuídos da seguinte forma: janeiro (14,9 mm); fevereiro (54,2 mm); março (37,6 mm); abril (73,5 mm); maio (4,7 mm); junho (0,7 mm) e julho (17,9 mm). Até o momento foram registrados 34 dias com chuvas e 178 sem nenhuma precipitação. Todavia, as plantas da caatinga repetem seus ciclos fenológicos regularmente, a exemplo do imbuzeiro e do sete-cascas. A floração do imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) é uma das primeiras que ocorre na caatinga, independente se o ano foi de muita ou pouca chuva. Esse processo ocorre porque o imbuzeiro perde as folhas logo após o inverno, para diminuir a transpiração, e entra em estado de dormência vegetativa no começo do verão por um período de até 43 dias. No entanto, com as modificações que ocorrem no clima nesse período, na temperatura e no grau higrométrico do ar, o imbuzeiro inicia sua brotação, floração e frutificação. O sete-cascas (Tabebuia spongiosa) iniciam a floração logos após as primeiras chuvas de verão, contudo, como o solo da caatinga encontra-se com baixo teor de umidade devido as secas, qualquer chuva induz sua floração. A floração do sete-cascas teve início após uma chuva de 10,5 mm que ocorreu no dia 27 de julho. A floração dessas plantas tem grande importância para fauna e flora da região semiárida, visto que, suas flores e frutos são fontes de alimentos para muitos animais da caatinga, principalmente para os pássaros e abelhas nativas no início do longo período de seca que vai de agosto a janeiro.


quinta-feira, 24 de julho de 2014

As rolinhas-branca da caatinga

As fotos

Nestas fotografias, podemos observar um rebanho de rolinhas-branca em busca de água na caatinga.  As  fotografias foram obtidas na caatinga do município de Petrolina, PE.

 Rolinhas chegando na bebida

 Rolinhas bebendo água


Rolinhas-branca bebendo água na caatinga



Os fatos


Entre as aves da caatinga nordestina, nenhuma é mais conhecida do que as rolinhas. Há uma infinidade de espécies de rolinhas, contudo na caatinga as mais conhecidas são a rolinha-cafofa, a rolinha-caldo-de-feijão, a rolinha-cascavel, a rolinha-azul e a rolinha-branca. Essas aves pertencem à família Columbidae  que pode ser encontrada em muitas regiões do mundo. A rolinha-branca é uma das mais numerosas na caatinga. O que chama a atenção das rolinhas é que elas são de modo geral consideradas aves preguiçosas, isto é, faz seu ninho sem muito capricho. Basta juntar um pouco de gravetos e logo vão colocando os ovos. Tem um detalhe interessante, muitas rolinhas repetem sua postura em um mesmo ninho por muitas vezes. Já vimos ninhos com mais de 5 camadas que são formadas pelas fezes dos filhotes. Nos locais onde existe água, as rolinhas-branca são as predominantes e sempre chegam em rebanhos para beber água, como podemos ver nas fotografias.

domingo, 20 de julho de 2014

A visão noturna dos animais da caatinga

As fotos

Nestas fotografias podemos observar alguns animais da caatinga que buscam na noite uma alternativa para procura de alimentos, fugindo da perseguição dos caçadores. As fotografias foram obtidas na caatinga do município de Petrolina, PE.

Os fatos


 A tempos era muito fácil observar um veado catingueiro (Mazama gouazoupira) durante o dia. Todavia, a caça indiscriminada tem sido responsável pelo desaparecimento deste animal em algumas áreas de caatinga do Nordeste. Para fugir dos caçadores o veado catingueiro busca alimentos e água a noite.
Veado na caatinga à noite

 A raposa (Dusicyon thous) é outro animal que dificilmente é observado no período diurno. Normalmente quando se ver uma raposa durante o dia, fala-se que é uma raposa doida. Já  durante a noite, as raposas são observadas facilmente na caatinga.

Raposas na caatinga à noite

O caititu ou cateto (Tayassu tajacu) é um porco-do-mato que vivem nas áreas de caatinga nativa do Nordeste, que se alimenta regularmente durante o dia, porém em função da presença de caçadores em seus habitats, esses animais estão cada vez mais optando pelo período noturno para procurar alimentos.
Caititus na caatinga à noite


O guaxinim (Procyon cancrivous) é um dos animais mais difícil de ser observado durante o dia, porém, à noite o guaxinim é observado facilmente na proximidade de lagoas ou de áreas com plantios de fruteiras, onde eles buscam alimentos. Esses animais têm sido vítimas constantemente de atropelamento nas estradas e rodovias que cortam a caatinga.

O guaxinim na noite da caatinga

O tatu-peba  (Euphractus sexcinctus) é um animal de hábitos noturnos. Contudo, os caçadores saem à noite com cachorros para caçar o tatu. Isso tem levado ao fato de que hoje é mais fácil encontrar um tatu-peba durante o dia do que a noite.

O tatu-peba na noite da caatinga

A coruja buraqueira (Athene cunicularia)  tem sua presença marcada nas noites nordestinas, contudo, geralmente ela pode ser vista durante o dia próxima ao ninho. Talvez, a coruja seja uma das aves da caatinga que ainda não é perseguida pelos caçadores.

Corujas buraqueiras bebendo água à noite


Um pequeno animal de hábitos diurno que hoje só é visto a noite é a pequena cotia da caatinga (Dasyprocta aguti). Esse animal tem sido caçado severamente e encontra-se em risco de extinção em muitas áreas da caatinga nordestina.
A cotia na noite da caatinga

Outro animal de hábito noturno que raramente é observado durante o dia é o pequeno gato do mato (Leopardus Tigrinus). Esse animal, semelhante ao guaxinim é encontrado morto às margens das rodovias que cortam a região da caatinga. Os caçadores matam o gato do mato para vender sua bela pele.

O pequeno gato do mato na noite da caatinga

segunda-feira, 14 de julho de 2014

A bela siriema da caatinga

As fotos

Nestas fotografias, podemos observar algumas  siriemas na caatinga. As fotografias foram obtidas na Caatinga do município de Petrolina, PE.

Siriemas na caatinga



Os fatos


A siriema (Cariama cristata) ou sariema são da família Cariamidae da ordem Gruiformes. São aves de médio porte, de hábitos terrestres, que preferem correr a voar. Na caatinga seu vôo é raridade, esta ave só voa quando esta sob ameaça. A presença das siriemas é notada pelo seu canto. As siriemas alimentam-se, preferêncialmente de insetos e pequenas cobras e lagartos da caatinga. O grupo de siriemas é formado por casais e algumas vezes por um filhote. Seu ninho, geralmente é feito no alto das árvores. Na caatinga, sempre encontramos ninhos de siriemas nos pontos mais altos dos imbuzeiros. Geralmente a siriema põem até dois ovos, porém às vezes nasce apenas um filhote. No período de seca as siriemas se aproximam das áreas cultivadas em busca de água e alimentos. Em algumas comunidades estas aves chegam ao terreiro das residências em busca de água. Embora sejam aves de pouca carne, as siriemas têm sido caçadas sistematicamente no semiárido nordestino. Essa ação das populações rurais pode levar esta espécie à extinção. Todavia, não há estudos que comprovem que essa espécie está ameaçada de extinção, porém sua presença na caatinga tem sido cada vez menor. 

segunda-feira, 16 de junho de 2014

A beleza dos gaviões da caatinga

As fotos

Nestas fotografias podemos observar algumas das aves de rapina da caatinga. São vários gaviões em busca de água para beber. As fotografias foram obtidas na caatinga do município de Petrolina, PE.

 A chegada do gavião na bebida
 Gavião preparando-se para mergulhar na água
 Gavião na beira da bebida
 Preparando-se para levantar voo.
 Gavião observando a caatinga
 Gavião após o banho
 Gavião alçando voo.

 Gavião tomando banho.
 Gavião na espreita.
Gavião preparando-se para entrar na água.

Os fatos


As aves de rapina da caatinga são predominantemente, os gaviões. São inúmeras especeis de gaviões que podemos encontrar nas caatingas do Nordeste. O destaque é para o gavião-carijó (Rupornis magnirostris) é uma das mais belas aves de rapina da caatinga nordestina. Essa ave pode chegar a mais de 40 cm de comprimento com uma plumagem belíssima variando de cinza a marrom e um azul escuro. No peito as listas marrons e brancas dão um tom de beleza inigualável. Os gaviões alimentam-se de pequenos vertebrados e tudo que consegue caçar quando estão com fome. Embora tenham várias espécies na caatinga, os gaviões não são muitos com facilidade. Todavia, a busca de água para beber tem sido uma constante dos gaviões o que possibilita a visão dos mesmos na caatinga.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

O caititu na caatinga do Nordeste

As fotos

Nestas fotografias podemos observar o caititu na caatinga. As fotografias foram obtidas na caatinga do município de Petrolina, PE. 


 Rebanho de caititus com filhote na caatinga

 Caititu procurando alimentos na caatinga a noite

 Filhote de caititu na caatinga
Caititu na caatinga



Os fatos

A grande diversidade de animais que encontramos na caatinga nordestina torna esse bioma impar, quando comparado a outras regiões secas do mundo. Temos um grande número de animais, totalizando, aproximadamente 1.081 espécies, sendo: 156 de mamíferos; 510 de aves; 119 de répteis; 56 de anfíbios e 240 de peixes. Esse total, ainda cresce com o descobrimento de novas espécies, a cada instante que se estuda com mais rigor a fauna da caatinga. Para maioria dessas espécies, a sobreviver e reprodução, são fases críticas, em função das irregularidades climáticas que afetam a região de caatinga do Nordeste, principalmente para aquelas que dependem de água em ambulância para sua sobrevivência. Outra grande ameaça é a caça indiscriminada que é realizada pelos habitantes das zonas urbanas e rurais. Não é só o homem da caatinga que caça os animais, há no Nordeste uma tradição de caça, onde os habitantes da zona urbana e com poder aquisitivo maior que o pequeno agricultor, adentra a caatinga para matar os animais e consumir. Outro fator é o apelo para o consumo da carne de algumas espécies, principalmente, do veado e do caititu, que são abatidos e comercializados em feiras-livres. Contudo, mesmo diante dessas ameaças algumas espécies conseguem sobreviver e se reproduzir, como o caititu da caatinga.

sábado, 17 de maio de 2014

A sobrevivência do veado-catingueiro na caatinga do Nordeste

A foto

Nesta fotografia podemos observar um belo exemplar de um veado-catingueiro em uma área de caatinga. A fotografia foi obtida no dia 1 de maio de 2014 na caatinga do município de Petrolina, PE.

Veado na caatinga

Os fatos

Muito se tem reclamado das secas no Sertão do Nordeste, principalmente pela mortandade dos animais domésticos, principalmente de bovinos, ovinos e caprinos. Por outro lado, temos uma fauna rica em espécies que sobrevivem a essas calamidades quase que sem sofrer quaisquer danos. Uma dessas espécies é o veado-catingueiro (Mazama gouazoubira).  Sua maior ameaça é a caça indiscriminada. O veado-catingueiro é uma espécie de pequeno porte de ocorrência em todo o território nacional, contudo em algumas regiões do Brasil, principalmente no Nordeste, essa espécie vem a cada dia sendo pouco observada.  Essa espécie ocorre em diferentes tipos de vegetação, como florestas, savanas, matas e áreas de cerrado e caatinga. Nas caatingas do Nordeste o veado-catingueiro prefere as áreas de formação de pastagens, onde se alimenta de brotos, gramíneas e leguminosas da caatinga, principalmente dos frutos, além do consumo das cactáceas no período de seca. O veado-catingueiro alimentou-se, basicamente de mandacaru, xiquexique e outros pequenos cactos da caatinga como o rabo de raposa, o caroá, etc. Não há registro de que as secas tenham afetado esses animais, visto que, eles só consomem água se encontra disponível, caso contrário, obtém a água que precisa das plantas da caatinga. Enquanto nossos criadores de caprinos e ovinos do Sertão vêm a cada dia alterando a genética de seus rebanhos com raças importadas, pouco adaptadas a nossas condições, o veado-catingueiro continua firme e forte na conivência com a seca. Infelizmente não temos estudos onde as características de rusticidade desses animais possam ser repassadas para os nossos rebanhos capacitando-os as adversidades climáticas da região. Nada ou quase nada mudou da colonização até agora, isto é, os colonizadores pouco tiveram interesse pela fauna do Sertão, mais priorizaram a introdução de espécies exóticas, como o caprino. Hoje, o que temos é a continuidade dessa politica com a introdução constante de novas raças de caprinos e ovinos para os Sertões do Nordeste. Assim, uma pergunta fica sem resposta, se o veado consegue sobreviver às secas sucessivas do Nordeste, porque nossos criadores tem que esperar a mão protetora do Estado para salvar seus rebanhos no período de seca?