Busca no Blog

Carregando...

sábado, 21 de abril de 2007

O mito da germinação das sementes do imbuzeiro nos apriscos

A foto


Nesta foto, podemos observar uma grande quantidade de sementes de imbuzeiro no chão de um aprisco. Cada ponto branco é uma semente regurgitada pelos caprinos. A fotografia foi obtida na Comunidade de Alto do Angico no município de Petrolina, PE na safra do imbuzeiro de 2006.


O fato


Os estudos sobre a germinação da semente do imbuzeiro têm apresentado muitas controversas, principalmente referente à sua dormência. Diversos autores realizaram alguns estudos que indicaram a existência de dormência na semente do imbuzeiro. Esta dormência poderia ser motivada pela presença de uma proteção extra do embrião, visto que o embrião da semente encontra-se protegido por um endocarpo secundário. Outros concluíram que a dificuldade de penetração de água no embrião seria a causa fundamental da dormência das sementes. Outros trabalhos concluíram que a ação dos ácidos gástricos dos caprinos nas sementes regurgitadas seria uma forma de quebra da dormência, e consequentemente do aceleramento da germinação. Com os resultados de nossas pesquisas com a semente do imbuzeiro nos últimos 10 anos, podemos observar uma série de fatores que contribuem ou não com a germinação das sementes do imbuzeiro. Em uma pesquisa com 17 plantas, colhemos os frutos, retiramos as sementes e plantamos no mesmo dia. Foi observado um percentual de germinação de 8 a 13% das sementes de 8 plantas, indicando que a dormência não é generalizada para todas as plantas. Neste mesmo estudo, observamos que o maior índice de germinação foi obtido com sementes armazenadas até 180 dias. Neste estudo, concluímos que a semente precisa alcançar sua maturidade fisiológica para poder germinar. Em outra pesquisa, estudamos os efeitos dos ácidos gástricos na germinação das sementes. Para tanto, coletamos nos apriscos sementes regurgitadas imediatamente e sementes após 8 dias no solo. Nas sementes regurgitadas imediatamente, não foi encontrado resíduos da ação dos ácidos gástricos dos caprinos. Estes resultados foram confirmados com as necropsias de animais abatidos, onde observamos que os frutos depois de ingeridos pelos animais, alojavam-se no retículo e parte do rúmen. Assim, as sementes não sofriam qualquer ação dos ácidos, pois esta só ocorre no quarto compartimento do estômago, o abomaso. Porém, nas sementes coletadas aos 8 dias no solo, detectamos uma grande quantidade de nitrogênio proveniente das fezes e urina dos animais e este nitrogênio na razão de 13,33 mg/litros é responsável pelos elevados índices de germinação das sementes regurgitadas pelos animais.

Nenhum comentário: